“Por que não sinto Deus como antes?”

Precisamos entender se ainda cremos na existência de Deus. Para nós, a existência de Deus é a grande pressuposição da teologia. Não há sentido em falar-se do conhecimento de Deus, se não se admite que Deus exista. A pressuposição da teologia cristã é um tipo muito definido. A suposição não é apenas de que há alguma coisa, alguma ideia ou ideal, algum poder ou tendência com propósito, a que se possa aplicar o nome de Deus, mas que há um ser pessoal auto consciente, auto existente, que é a origem de todas as coisas, e que transcende a criação inteira, mas ao mesmo tempo é imanente em cada parte da criação.
Gênesis 1:1 – “No princípio criou Deus os céus e a terra…” A Pós-modernidade tem influenciando na nossa fé para com Deus. Infelizmente vivemos uma influência muito grande da pós-modernidade e seus conceitos. Conceitos que estão se impregnando em nossa mente, pelo simples fato da nossa intimidade com Deus ser superficial e estar baseada apenas nas interpretações pessoais e não iluminação do Espírito Santo.
Vejamos alguns pensamentos: A raiz do movimento pós-moderno encontra-se em Friedch Nietzsche, no movimento “A morte de Deus”. Este movimento traz um desconstrucionismo. Então, a morte de Deus leva à morte de todas outras áreas de pensamento e da vida, como podemos ver:
Morte de Deus – Ateísmo / Morte da verdade objetiva / Relativismo / Morte da verdade exclusiva – Pluralismo / Morte do significado objetivo – Convencionalismo / Morte do pensamento (lógica) – Anti-Fundacionismo / Morte da interpretação objetiva – Desconstrucionismo – Morte de valores objetivos – Subjetivismo.
O Pecado como normalidade afasta o homem de sentir e viver Deus.
Romanos 3:23: “Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus”; Isaias 59:2: “se acalentarmos o pecado no coração, o Senhor não nos ouvirá” (Salmos 66:18).
A normalidade do pecado nos faz desejar mais o mundo do que a Deus. O pecado não é uma ilusão. A visão bíblica sobre o pecado tem caráter absoluto: Mt 10:32-33; 12.30; Lc 11:23; Tg 2:10; 1ª João 2:15.
A experiência superficial com Deus – Filipenses 2:15
Os cristãos modernos estão vivendo uma vida de Igreja e não de arrependimento.
Há sempre perigo de ficar satisfeito com uma obra superficial; há sempre risco de que as pessoas não se ancorem em Deus, mas se contentem em flutuar daqui para ali, objetos das tentações de Satanás.
É importantíssimo a cada dia buscarmos a Face do nosso Deus, é imprescindível que sejamos conduzidos pelas Palavras de Jesus Cristo e termos Nele Salvação. É totalmente necessário sermos Cheios do Espírito Santo, porque, desta maneira, nesta procedência, viveremos uma ‘VIDA VIVA DE DEUS’.

Pr. André Moraes


O Editor

Um comentário em ““Por que não sinto Deus como antes?”

  • 20 de março de 2018 em 8:34
    Permalink

    Gostaria de saber quais os dias e horários dos cultos para que eu possa fazer uma visita.

    Boa tarde, Edson Renato!
    Para saber os dias e horários dos Cultos, clique no LINK abaixo;
    http://www.ieccgcentro.org.br/sobre/agenda/

Fechado para comentários.