Notícias da Missionária Fabiane

“Bendize, ó minha alma, ao Senhor, e tudo o que há em mim bendiga o seu santo nome. Bendize, ó minha alma, ao Senhor, e não te esqueças de nenhum dos seus benefícios.” Salmo 103:1 e 2

Graça e Paz, queridos irmãos e amigos! Venho relatar um pouco do que Deus tem feito nesse último mês e também agradecer aos irmãos por estarem cobrindo eu e minha irmã em oração. Àqueles que não sabem, eu passei por um 2º transplante de rim em que minha irmã Flávia foi a doadora, 100% compatível. Esse foi o 1º milagre. Outro milagre foi eu não ter feito hemodiálise antes, como os médicos previam. Eu não tinha acesso (fístula) no braço e eles teriam que passar um cateter no meu pescoço para isso. O Senhor me deu livramento. Não precisei. Antes do transplante, seria necessário que eu tomasse uma quimioterapia forte para baixar muito minha imunidade, também não fizeram em mim por conta de nossa compatibilidade, só tomei uma dose mais baixa de medicação imunossupressora. E tenho tomado medicações desde o pós-operatório porque é de praxe.

No mesmo horário das cirurgias, enquanto nossa família aguardava orando no hospital, tinham pessoas também orando por nós duas em vários lugares do Brasil e do mundo. Nós cremos que o Centro Cirúrgico e todo o Hospital Português estavam cheios da presença de Deus e de seus anjos. Os anestesistas, os cirurgiões transplantista, urologista e vascular, assim como toda a equipe que era grande, estavam na presença do mestre. Agradecemos ao excelente trabalho desses profissionais e sobremaneira honramos e louvamos a Deus por sua infinita bondade e fidelidade.

Nós duas estamos bem e nossa recuperação está acontecendo dentro do esperado. Ter um órgão importante de minha irmã dentro de mim, me fazendo viver normal é inexplicavelmente um milagre de amor. É renúncia, coragem, dedicação, amor real da parte dela, é se doar em prol de que eu viva mais e melhor. A Flávia, minha homenagem e gratidão eterna.

Igreja querida, muito obrigada por caminhar conosco nas alegrias e nos momentos difíceis também!
Abraços! Com gratidão, Miss. Fabiane Nunes

O Editor