“Uma declaração de amor”

“Como eu amo a tua lei! Medito nela o dia inteiro”. (Salmo 119:97).

O maior Salmo da Bíblia, o 119, é, sem dúvida nenhuma, uma declaração de amor à palavra do Senhor. Nele encontramos expressões como: Escondo, reflito ou medito, regozijo-me e sinto prazer, que fazem referência direta de como o salmista dava importância à palavra em sua vida.

A beleza das Escrituras pode ser vista na revelação, tanto no Antigo Testamento por meio de anúncios proféticos, quanto no Novo Testamento em seu cumprimento, como um fio que perfeitamente tece as Escrituras, ligando os dois Testamentos. Descobre-se sua beleza na singularidade de seus ensinamentos: Ela nos revela o próprio Deus e seu plano. Nos fala do amor por seu povo no passado, tanto no êxodo como no cativeiro, da salvação por meio de Jesus, do dom do Espírito Santo e da pregação do Evangelho, sempre nos conduzindo a uma prática coerente e a uma observação constante. Em seus ensinos há beleza espiritual, comunhão com Deus, amor com o próximo, uma escatologia que olha para o futuro, mas sem esquecer o papel da igreja enquanto agência autorizada do Reino aqui na terra, no uso de seus dons como forma de edificação do seu povo e glória de seu Senhor.

Outra razão que temos para amar a Bíblia é o seu poder que se manifesta de muitos modos. A palavra de Deus é viva e eficaz, e mais penetrante que qualquer espada: Ela penetra nos nossos pensamentos, nos nossos corações. Ela revela a nós mesmos as nossas motivações, os nossos propósitos; mostra nossos pecados, nos convence, nos corrige e nos ensina.

E esta é a razão pela qual o salmista diz que pensa nela dia e noite: não é por legalismo, muito menos formalidade, ou obrigação. Ele medita nela porque a ama.

Isso nos remete a um grande ensinamento: Para compreendermos o significado da Lei não basta simplesmente ler os mandamentos. É necessário, através da iluminação do Espírito Santo, refletir e meditar sobre cada mandamento para então compreender e extrair as reais implicações do que ele diz. Quanto maior for a meditação, maior será o entendimento; maior será a capacidade de discernir o bem e o mal.

Pr. Alexandro, de Souza Felizardo

Superintendência da EBD


O texto acima foi Publicado no Boletim Semanal nº 1115, de 26/02/2017

O Editor