“A Despedida” (Conclusão)

É possível que Jesus como homem conhecesse muito bem os motivos da traição de Judas.
A partir deste instante, o Mestre começou sentir as garras da morte iminente.
No meio dessa desagregadora tensão interior, seria instaurada uma nova forma de relação como os advindos da solidão motivada pelo fracasso do abraço ao pecado.
judas-30_moedasBendita fração de quase intermináveis minutos que o homogêneo momento da celebração pascoal torna-se numa eclosão por ter sido revelada a máscara de Judas ao retirar-se da cálida celebração para horas depois fazer tilintar as moedas que foram sacudidas nas mãos dos mercadores de Jesus, quebrando o silêncio da surda comemoração.
Devo recordar que o último cenáculo onde o Mestre se reuniu, dava sinais de solenidade, pois este estava rigorosamente ornamentado com a mobília adequada para aquele dia.
Pesa no coração dos discípulos que o Mestre lhes dissera, que deveriam lembrar-se dele (na sua morte) sempre que se reunissem para partilhar o pão e o vinho.
Jesus está lhes dizendo que se tinha constituído amigo inseparável na mais perfeita alegação que não os deixaria órfãos.
a_última_ceiaEle (Jesus) concluiu dizendo que esta é a última ceia que celebraria com seus discípulos.
Vinte anos depois a solene celebração dita por Paulo assume a prerrogativa de avisar que a lembrança e memória de Jesus, repousariam na sublime segurança de sua inseparável companhia.
Entendo que agora Ele quer mostrar que não lhes deixaria na companhia da orfandade e nem nos desfiladeiros que obedeceriam a serras das incertezas.
Jesus diz que passou com eles um tempo, a vê-los assim como passam as estrelas, mas, agora estaria com eles até a consumação dos séculos.
O Consolador que lhes enviaria, inundaria suas almas com evidências meridianas. Ele diz:
1. Minha mensagem se transformou ora em luz, ora em palco de decisões.
2. Ensinei os homens a transformarem o amor em cachoeira de graça, e não em pedras.
3. Andei como irmão.
4. Não morei nos picos inalcançáveis onde as águias fazem seus ninhos.
5. Comemos nas mesmas mesas sendo censurados pelos farizeus.
6. Nosso repouso, na maioria das vezes era iluminado pelas estrelas.
7. Dividi meu coração com os que eram ladeados pela solidão.

Enfim; voltarei para vós outros, para que onde eu estiver, estejais vós também.

Pr. Samuel Dionísio de Veras

O Editor